<body>


Y te soñe

Eu estava vagando pela rua a noite, numa típica noite de calor carioca, caminhava pensando em você, parei enfrente a praia, sentei num banco e levei um ano para encontrar meu maço de cigarro escondido na bolsa. Paro um segundo e fico com o Carlton vermelho ainda sem ascender na mão, o mar de Ipanema batia forte, o cheiro da praia me fez relembrar vários momentos da minha vida.
Quando dou um primeiro trago no cigarro, lembro de você reclamando, pedindo pra não fumar, como sempre eu desobedecia e ainda tacava fumaça em seu rosto. Olhando o céu passo a desejar uma única coisa, que você estivesse ao meu lado.
Tentei parar de pensar em você, mas já era tarde demais, não conseguia. Foi então que decidi parar de pensar em você a moda antiga, fui para um bar e resolvi começar a beber.
Aos poucos eu ia voltando a realidade, e decidi que não queria passar o resto da noite sozinha. Um grupo de garotos se aproximou de mim, todos extremamente pegáveis, me convidavam para ir para suas casas e eu fazia aquele típico doce.
Pedi para um deles um Dry Martini e para outro um esqueiro, este ultimo fez questão de ascender o fogo para que eu fumasse. Eu tava conseguindo te tirar da minha cabeça, mas quando olho para o a entrada do lugar, eu te vejo. Eu não consegui conter o sorriso e nem sequer parar de te olhar, eu fiquei sem reação.
Tentei voltar a me concentrar nos meninos, mas quando vejo você se aproximando de uma garota, a raiva, o ciúmes me tomaram. Você foi falar com outra e não comigo!
Nessa hora meu ego ariano foi pro inferno, e não me contive, tive que ir falar com você, a idiota caiu no seu joguinho. Na mesma hora que fui brigar com você, meus ouvidos apenas escutaram “para de ser besta, eu amo so você, não precisa de ciúmes”, eu fiquei com aquela clássica cara de boba apaixonada, e não controlei a vontade de te beijar na hora.
Fomos parar num canto, não conseguíamos parar de trocar juras de amor e beijos. Meu celular toca, era um dos garotos que eu costumava ficar que estava me ligando, pedia para nos vermos, cabei combinando de nos entrarmos em meia hora no lugar de sempre. Quando vejo seu rosto de decepção percebo que fiz merda, “você vai me trocar por outro?”, claro que não apenas vou dar um fora de uma vez por todas nele e em todos, e voltar para você, é você quem eu amo e quero passar o resto da minha vida ao seu lado. A cara de besta apaixonada dominou você, e eu acordei querendo voltar ao sonho, mas minha afilhada berrava demais pra ver vídeo no youtube.

ps: i need you @ segunda-feira, dezembro 28, 2009 ~ 13:26. 1 Comentários
Voltei a ser como antes?

Eu deveria estar acostumada as minhas constantes mudanças, afinal perdi a conta de quantas vezes mudei. O engraçado de mudar é que quando você se comporta como antes você fica... Não sei achar a palavra certa... Você fica pensativo...
Uma das poucas certezas que eu tinha a respeito de mim mesma, era que eu era piriguete ao extremo, não curtia namoros e jamais iria namorar, uma saída a noite não seria produtiva se eu não ficasse com alguém.
Bom, chega ate ser cômico, a piriguete que amava beber (bêbada ao extremo). A cachaceira que estava seguindo os passos da mãe, alias estava ficando pior porque a mãe nunca fui piranha. agora se fica bêbada uma vez ao mês é muito, não vê mais graça em sair pegando geral.
Seria trágico se não fosse cômico esse jeito mudado, troquei o que eu mais amava em mim mesma, há um tempo se eu ficasse tão calma como eu to, teria ficado louca.
Mas às vezes bate a saudade do meu antigo jeito, e eu resolvo dar à louca e me comportar como a velha Manu. Fico extremamente bêbada e não me lembro de nada que fiz na noite, ou resolvo fazer de uma saída pra curtir com os primos uma saída das antigas a nível piriguete, e pego quatro caras em duas horas, e com um deles digamos que a parada ficou frenética.
A verdade é que eu me sinto bem mais feliz agora do que com meu antigo jeito, e sempre fico procurando alguma justificativa para eu ter agido como antigamente, eu encontro varias. Eu gosto de sentir adrenalina, curto ser piriguete, sou idiota e impulsiva, mas as mais fortes normalmente são as que tem mais lógica de certa forma, entre elas o fato de que eu tenho medo de me prender a apenas uma pessoa e meio que tentar esquecer por poucos minutos o fato de que eu to apaixonada. Nenhuma dessas desculpas funcionam, nem mesmo essas mais fortes, já que a cada beijo eu fico pensando que poderia estar beijando alguém que eu realmente amo, logo não consigo esquecer. O porque raios saí pegando quatro caras, não tenho a mínima idéia, graças a deus eu não voltarei a ver-los.
Agora o que me resta é me controlar, e parar de me auto-sabotar como sempre, pra que raios agir como antes se eu to mais feliz agora?

ps: i need you @ sábado, dezembro 26, 2009 ~ 19:44. 1 Comentários
Last week

Uma semana atrás lá estava eu, de beca, sentada escutando as homenagens aos alunos, aos formandos, aos professores e etc. Pais, parentes, amigos, professores, todos nos olhavam, éramos o centro das atenções.
O choro e a melancolia dominaram a quadra, era a despedida da escola, era o começo da vida sem escola, da vida adulta. Acho que não teve uma pessoa que não parou pra pensar e relembrar os momentos da escola e da vida de adolescente.
Olhava ao meu redor, todos chorando, pensava nas minhas amigas que também estavam se formando comigo e as outras que estavam pra se formar em outras escolas. Olhava pra um grupo de meninas, eu costumava ser desse grupo, eu fui uma das formadoras do grupo, estava a minha “Best” lá no meio. Não tive como não relembrar os momentos que passamos juntas, como não lembrar do meu antigo “trio itaipava”, pensava no que me levou a sair do trio, a virar estranha a elas, queria que uma delas estivesse lá, queria abraçar-la, falar “amiga!! Terminei a escola!!”, não podia, ela não estava e nos viramos estranhas a tal ponto de não nos olharmos nem cumprimentar na rua. Ela não imagina como sinto a sua falta, mas o orgulho das duas não permite a reaproximação.
Parei para pensar também em outras coisas, na amiga que me fez entrar nessa escola, na nossa briga e no distanciamento, mas que no final das contas terminamos juntas abraçadas, nos formando de novo. Junto a ela, minhas novas amizades, pessoas que jamais seria amiga e acabaram se tornando a alegria de todas as minhas manhãs, estas fizeram até eu ler manga (sendo que sempre zuei quem lia).
Olho para a platéia e vejo meu tio, minha prima e dois cabelos loiros em destaque, acho que foi o momento mais feliz da minha despedida da escola, elas estavam berrando meu nome, sem duvida alguma elas passaram a ser minha maior conquista deste ano, acabamos estando juntas pra dar adeus a todas nossas escolas, nenhuma deixou de faltar para abraçar e enxugar as lagrimas da outra, estas me deram o melhor presente que eu queria para me formatura, a presença delas, depois a bebida e a piriguetação de sempre, minhas modelos alemãs, eu as amo.
No final das contas terminei me formando ao lado e abraçando as amizades mais recentes do ano e sem duvida as mais importantes da minha vida. Mas sem esquecer que a maior parte do ensino médio minha felicidade foi dada por outras pessoas que mesmo distante continuo amando.
A escola não irá deixar saudade, não chorei em momento algum pelo seu termino, apenas fiquei feliz, terminei ao lado de pessoas que amo e dei graças a deus por estarem a minha vida. E ficou na lembrança como aquela que não me ensino a viver e sim a sentir e amar, mas principalmente a calar a boca ao criticar as pessoas.

ps: i need you @ quarta-feira, dezembro 23, 2009 ~ 16:54. 3 Comentários
Never say goodbye

No meu antigo blog acabei escrevendo o que não devia, e assim magoei ainda mais uma pessoa. Depois de ter feito essa besteira, resolvi parar de escrever, não queria magoar mais pessoas, fiquei com medo.
Acontece que escrever para mim serve como terapia, é uma forma de desabafar o que eu sinto, um jeito de falar que eu não consigo falar pra maioria das pessoas, alias é o único jeito de dizer como estão realmente as coisas na minha cabeça.
Eu escrevo o que eu sinto, sempre falei isso, não ligo se escrevo bem ou não, mas gosto de ser elogiada (quem não gosta?), nos últimos meses tive que me controlar pra não sair escrevendo tudo que passava pela minha cabeça, agora desisti de me controlar.... Vou ter pouco tempo pra usar o computador, logo pouco tempo sem falar com muitas pessoas e tempo de sobra pra fazer porra nenhuma, então só me resta escrever.
To escrevendo agora pelo simples fato que to sem nada pra fazer, rezando pra que minha amiga faça o maldito layout desse blog novo, morrendo de vontade de fumar e de beber, morrendo mais ainda de saudades de certas pessoas (claro que tem uma pessoa que da mais saudade)
Enfim, to aqui falando que voltei escrever em um maldito blog e que provavelmente terá novos posts sempre.

ps: i need you @ terça-feira, dezembro 22, 2009 ~ 11:11. 1 Comentários

la niña

Manuela terminou a escola, não faz a mínima idéia do que quer pra vida, nem sequer sabe em que país estará morando em 2010, só sabe que quer curtir a vida ao lado do seu cigarro e na cidade maravilhosa. Uns falam que ela é linda, gata, gostosa... Outros que ela é metida, egocêntrica e que fala demais... Na verdade ela é tudo isso e muito mais.

You know you love me

dito

Cara, você vive. Coroa, você morre. 50/50 de chance. Vida ou morte. Meu destino foi vida. Vida como uma caçadora de recompensas.

saídas
Banana Roja
Bitch Red Nails
Hospício das Loiras
The Queer World
Taty at all
Turn off your Eyes
passado

Dezembro 2009

Janeiro 2010

Fevereiro 2010

Março 2010

Abril 2010

Maio 2010